jump to navigation

O primeiro escritor de ficção científica 17, maio, 2008

Posted by Lawrence in Biografia, Curiosidade, Livros.
2 comments

Entre os leitores do gênero, com certeza a resposta a essa pergunta pode causar polêmica. A lista de candidatos é bem grande, então temos que colocar algumas condições.

Condição número um:
O escritor deve ser “especialista” em ficção científica. Ou seja, deve dedicar-se exclusivamente à esse tipo de estória.

Condição número dois:
O escritor deve sobreviver das suas obras, como profissional.

Resolvido essas duas proposições, chegamos ao nosso eleito. Estou falando de Júlio Verne, nascido em Nantes, na França, em 8 de fevereiro de 1828. E apesar de ser formado em direito, não exercia a profissão. Escreveu estórias e peças de outros gêneros e trabalhava como corretor de títulos antes de começar a ganhar a vida como escritor de FC. A tempo, ele não cunhou a palavra ficção científica, e apesar disso, especializou-se nela.

Em 1863 escreveu o livro “Cinco Semanas num Balão”. Foi um sucesso tremendo. Depois dessa obra, ele deslanchou como escritor profissional, ganhou fama mundial e escreveu vários livros de viagens fantásticas, sempre seguindo o gênero de aventuras e tecnologia. Ganhou tanto dinheiro que a cabo de alguns anos comprou um barco de oitenta toneladas, usado para diversão.

Depois de navegar e conhecer o mar muito melhor do que antes, escreveu outro sucesso sem limites, o livro “Vinte Mil Léguas Submarinas”. Esse livro foi publicado em 1873, e vários submarinos, no futuro, ganharam o nome do submarino da aventura de Júlio Verne, que se chamava Nautilus.

E, para finalizar, Asimov fala sobre esse e muitos outros escritores no livro “No Mundo da Ficção Científica“, que tive a sorte de encontrar -nunca lido – à venda num sebo.

Para saber mais:
Júlio Verne

O mundo real 16, maio, 2008

Posted by Lawrence in Biografia, Curiosidade, Vida.
add a comment

Isaac Asimov começou a escrever estórias bem cedo, desde a pré-adolescência, mas naquela época escrevia apenas para si mesmo. E sempre gostou de ficção científica, apesar de conseguir ser prolífico em quase todos os assuntos. Antes mesmo de entrar para o time oficial de escritores de ficção científica, ele já sabia que naquela época esse gênero não era considerado uma coisa séria. Não era literatura para pessoas “estudadas”.

De fato, quando se escreve estórias que aparentemente são impossíveis, essa atitude é até compreensível. O problema é que os escritores de  FC eram considerados pessoas que estavam com a cabeça no mundo da Lua, pessoas que não deveriam ser levadas a sério.

Isso tudo mudou com acontecimentos que a FC já tinha previsto faz tempo, como a bomba atômica de Hiroshima. Desde essa data o gênero passou a ser respeitável, e não mais objeto de ridículo. De lá pra cá, muita coisa foi inventada, criada ou descoberta. Em sua grande maioria essas descobertas foram previstas pela ficção científica, como a engenharia genética, viagem à Lua, computadores pessoais e Internet.

Na verdade quem vivia no mundo da Lua, não era bem os escritores de ficção científica.