jump to navigation

Isaac, sobre a falsa ficção científica 30, março, 2008

Posted by Lawrence in Biografia, Curiosidade, Vida.
add a comment

Asimov e outros cientistas/escritores consideravam que a ficção científica deve seguir uma ordem realística em termos da física, da química e da biologia. A verdadeira ficção científica tem a característica de não extrapolar as estórias para além do que é fisicamente impossível. Sempre existiu escritores de ficção científica que não sabiam nada de ciência, o que leva a estória seguir uma linha pobre em termos científicos.

Abaixo coloquei uma transcrição de algo que Simov escreveu sobre isso na sua revista, a “Isaac Asimov Magazine”.

Quando comecei a escrever ficção científica, era o menor e mais humilde ramo da literatura barata e já considerada um gênero subliterário. Isso não me incomodava. prezava-a como o trabalho mais nobre da humanidade; se os outros não concordavam comigo, pior para eles. Mas havia muitos autores e críticos que se aborreciam com isso e não queriam ser associados a uma coisa tão prosaica. Eram aristocratas por natureza, suponho, e gostrariam de ser tratados como gênios. Em conseqüência, surgiu uma lenda que dizia que antigamente a ficção científica era uma forma respeitável de literatura, praticada por todos os grandes escritores… Foi então que apareceu um vilão chamado Hugo Gersnback e reuniu e reuniu em torno de si um bando de escribas que produziam o que havia de pior. Besteira!

Isaac Asimov Magazine nº 1

A maior ironia dessa opinião de Asimov é que o maior prêmio para escritores de ficção científica se chama Hugo Award, em homenagem ao Gersnback.

Para saber mais:
* Hugo Gersnback

Por quê escrever tanto, Asimov? 26, março, 2008

Posted by Lawrence in Biografia, Curiosidade, Vida.
add a comment

Prolífico como era, Isaac Asimov foi indagado muitas vezes sobre sua maneira de ser e sobre a quantidade de obras que já escreveu. Sempre que perguntavam, ele dizia:

1) “Sinto um prazer inocente em fazer isso. Afinal de contas, tenho muita coisa a dizer, e procurar manter tudo comprimido dentro de mim poderia facilmente danificar meus órgãos internos“.

2) “Sou pago para essa atividade e preciso ganhar a vida“.

3) “Estes ensaios são lidos por outros somente de espontânea vontade, de modo que não imponho isso a ninguém contra sua vontade“.

Isaac Asimov

Foi-se o último dos três grandes 21, março, 2008

Posted by Lawrence in Vida.
1 comment so far

Arthur C. Clarke, amigo de Isaac Asimov e um dos “três grandes” da ficção científica, nos deixa na madrugada de uma quarta-feira (terça-feira, dia 18 de março de 2008, no horário de Brasília). Morreu em decorrência de problemas respiratórios. Tinha 90 anos.

O grande escritor de ficção científica, autor de “2001: uma odisséia no espaço”, morava no Sri Lanka e, durante sua vida, escreveu mais de 80 livros e mais de 500 contos. Em 1945 ele previu em seus livros os satélites de comunicação, fato esse que provavelmente fomentou a idéia aos engenheiros da época. Isso me lembra uma coisa que Asimov dizia. Ele falava que naquela época a ficção científica era uma previsão das possibilidades do futuro, e que muito frequentemente os escritores deste gênero de literatura “adivinhavam” o que estava por vir em termos de tecnologia. Não é a toa que previram a bomba atômica, a engenharia genética, os computadores, os robôs, cada um em seus tempo.

Arthur C. Clarke, Isaac Asimov e Robert A. Heinlein são, oficialmente, considerados os três grandes da ficção científica. Marcaram gerações com suas idéias, estórias e histórias. Ficará para sempre seu legado conosco, para nosso deleite.

Os últimos três desejos de Clarke

“Em dezembro de 2007, o escritor listou três desejos para o seu aniversário de 90 anos: que o mundo adotasse fontes de energia limpas, que a paz fosse estabelecida no lugar onde ele vivia, o Sri Lanka, e que fossem apresentadas evidências de seres extraterrestres”. Portal G1

Arthur C. Clarke

Para saber mais:
A notícia de seu falecimento – Portal G1
Fotos do velório – Portal G1
Enterro secular – AFP